(Inaudito, BRA, 2017)
Experimental
Direção: Gregorio Gananian
Elenco: Lanny Gordin, Dou Hei Mu, Effe, Luiz da Silva, Pianzi, José Roberto Aguilar, Jards Macalé
Roteiro: Gregorio Gananian, Danielly O.M.M.
Duração: 88 min.
Nota: 5 ★★★★★☆☆☆☆☆

Se a guitarra tem um nome na Tropicália, esse nome é Lanny Gordin, personagem principal do documentário experimental Inaudito, de Gregorio Gananian. O projeto que já se apresenta com um excelente nome, “aquele jamais ouvido”, faz uma radiografia da música dentro do homem.

A forma é instigante e está permeada por intervenções que, à medida em que se apresenta o biografado, se tornam, ao mesmo tempo, coerentes e provocadoras. Cores e imagens contrapõem-se às distorções, pausas e composições musicais do guitarrista. Enquanto está na tela, sem cordas entre seus dedos, o tempo e o espaço passam a ser dele, que descreve o mundo e a música que sempre o acompanha.

A viagem do filme está representada fisicamente ao escolher os países do guitarrista, Brasil e China (onde ele nasceu), em suas contradições e unidades, aqui comprovando a máxima da universalidade da música. Está também em uma espécie de fluxo aleatório de raciocínio, tão pertinente ao protagonista.

Embora seja muito curioso acompanhar o pensamento de Lanny, há um certo incômodo no modo como a doença do musicista transparece. Algo inevitável, uma vez que a intenção era justamente descobri-lo, mas a possibilidade cômica, natural na esquizofrenia, pode ser por vezes cruel.

Além disso, aquele filme que começa tão inventivo e ousado acaba cedendo a uma lógica narrativa que em nada combina com a persona ou a inventividade prometida nos primeiros momentos de projeção. A inserção de depoimentos, ainda que poéticos e performáticos, após essa ruptura, é ainda mais complicada. Qualquer repetição posterior é vista como prolongamento e o tempo do filme acaba sendo muito maior na sensação do que na realidade.

A grande força de Inaudito está mesmo na musicalidade de Lanny e nos momentos inciais, em que ela guia o surgimento das imagens. E, claro, nos sons que ele executa quando está acompanhado da guitarra, seja sentindo algum chamado desconhecido, seja reverenciado um dos grande ídolos do instrumento, seja ao acompanhar uma banda chinesa de jazz. É como se ali não existisse separação entre os dois seres, e dá gosto de ver/ouvir.

Um Grande Momento:
Lanny e a guitarra.