Top, top, top uh!

O passado da comédia romântica em 30 filmes

Já são 90 anos de comédia romântica no cinema. Muito antes de Julia Roberts, Meg Ryan e Sandra Bullock tornarem-se símbolos do gênero, antes de vários roteiros de Nora Ephron e da especialização na direção de Nancy Meyers, muitos foram os envolvimentos, esperas e reconciliações.

Firmada na história do cinema, porém, a comédia romântica é um gênero que sofre muito preconceito. Diz-se por aí que é porque tem uma estrutura muito marcada e conta histórias que só interessam às mulheres. Oras, se vários outros gêneros seguem também estruturas batidas e por diversas vezes repetidas mas não são tão discriminados, a explicação está naquele velho lugar de sempre: o machismo nosso de cada dia. O simples associar o gênero às mulheres, já o diminui.

Mas ele persiste, falando de paixão, amor e relacionamentos – temas que são universais e não apenas femininos – a um monte de gente. E vem nessa caminhada desde 1930. Aqui vou falar de parte dessa história, com filmes que se destacaram até o final da década de 1980.

Espero que aqueles que gostem de uma boa comédia romântica possam conhecer alguns títulos e reencontrar outros tantos. Aos preconceituosos, apenas melhorem.

A Divorciada (The Divorcee, 1930), de Robert Z. Leonard
Quando Jerry (Norma Shearer) descobre a traição do marido, decide se vingar ficando com o melhor amigo dele, mas as coisas fogem do controle.

Aconteceu Naquela Noite (1934)

Aconteceu Naquela Noite (It Happened One Night, 1934), de Frank Capra
A rica e mimada Ellie (Claudette Colbert) foge de sua família e é ajudada por Peter (Clark Gable), um jornalista que, na verdade, só precisa de uma boa história.

Do Mundo Nada se Leva (1938)

Do Mundo Nada Se Leva (You Can’t Take It with You, 1938), de Frank Capra
Alice (Jean Arthur) quer que Tony (James Stewart), seu noivo, conheça sua família. Ele, vindo de uma família rica e esnobe, estranha os parentes excêntricos.

Ninotchka (1939)

Ninotchka (1939), de Ernst Lubitsch
Nina (Greta Garbo) é uma diplomata enviada a Paris em missão oficial. Lá, conhece e se apaixona por Leon (Melvyn Douglas), o conde guardião das joias de uma grã-duquesa.

Núpcias de Escândalo (1940)

Núpcias de Escândalo (The Philadelphia Story, 1940), de George Cukor
A socialite Tracy (Katharine Hepburn) se divorciou de Dexter (Cary Grant). Perto de se casar com o rico George (John Howard), reencontra o ex-marido e conhece Macaulay (James Stewart), um repórter enxerido. Agora, não sabe mais quem ama.

A Costela de Adão (1949)

A Costela de Adão (Adam’s Rib, 1949), de George Cukor
O promotor Adam (Spencer Tracy) e a advogada de defesa Amanda (Katharine Hepburn) estão em lados opostos no tribunal em um caso de assassinato. O problema é que ambos são casados.

Pão, Amor e Ciúme (1954)

Pão, Amor e Ciúme (Pane, amore e gelosia, 1954), de Luigi Comencini
Enquanto o comandante Carotenuto (Vittorio De Sica) deixa o batalhão porque pretende casar com uma mãe solteira, o soldado Stellutti (Roberto Risso) é transferido de cidade, deixando sua noiva (Gina Lollobrigida).

Sabrina (1954)

Sabrina (1954), de Billy Wilder
Depois de passar dois anos em Paris, Sabrina (Audrey Hepburn) volta aos EUA e à casa onde o pai trabalha como motorista. Os dois irmãos da rica família (Humphrey Bogart e William Holden) se apaixonam por ela.

Lua de Mel Agitada (1954)

Lua de Mel Agitada (The Long, Long Trailer, 1954), de Vincente Minnelli
Para economizar dinheiro após o casamento, Nicky (Desi Arnaz) e Tacy (Lucille Ball) compram um trailer. Na lua de mel, os dois decidem viajar pelo país e as coisas saem diferentes do esperado.

As Sete Mulheres da Minha Vida (1957)

As Sete Mulheres da Minha Vida (The Truth About Women, 1957), de Muriel Box
Para consolar o seu genro, Sir Humphrey Tavistock (Laurence Harvey) conta vários romances de sua vida e revela qual deles foi o seu grande amor.

Confidências à Meia-Noite (1959)

Confidências à Meia-Noite (Pillow Talk, 1959), de Michael Gordon
Jan (Doris Day) e Brad (Rock Hudson) são obrigados a compartilhar uma linha telefônica. Os dois começam a sair sem que ela saiba que ele o irritante co-dono da linha.

Bonequinha de Luxo (1961)

Bonequinha de Luxo (Breakfast at Tiffany’s, 1961), de Blake Edwards
A garota de programa Holly (Audrey Hepburn) quer casar-se com um milionário. Seus planos mudam quando conhece seu vizinho Paul (George Peppard), um jovem escritor bancado pela amante.

Volta Meu Amor (1961)

Volta Meu Amor (Lover Come Back, 1961), de Delbert Mann
Jerry (Rock Hudson) é um publicitário que usa mulheres e bebidas para atrair seus clientes. Carol (Doris Day), executiva de uma agência rival, o denuncia para o Conselho de Publicitários.

Uma Mulher É uma Mulher (Une femme est une femme, 1961), de Jean-Luc Godard
Angela (Anna Karina), que trabalha num clube de striptease, quer ter um filho com seu namorado Émile (Jean-Claude Brialy), porém ele não quer e sugere que ela engravide do seu melhor amigo, Alfred (Jean-Paul Belmondo).

Ontem, Hoje e Amanhã (1963)

Ontem, Hoje e Amanhã (Ieri oggi domani, 1963), de Vittorio De Sica
Um casal (Sophia Loren e Marcello Mastroianni) vive uma série de encontros e desencontros em três histórias: uma vendedora de cigarros, uma socialite e uma prostituta.

Irma La Douce (1963)

Irma La Douce (1963), de Billy Wilder
O policial Nestor (Jack Lemmon) se apaixona por Irma (Shirley MacLaine), uma prostituta que ele conhece em serviço. Após ser demitido, ele vira seu cafetão, mas não quer que ela se encontre com nenhum outro homem.

My Fair Lady (1964)

My Fair Lady (1964), de George Cukor
Eliza (Audrey Hepburn) é uma mendiga que vende flores pelas ruas de Londres em busca de uns trocados. Ela conhece Henry (Rex Harrison), um professor de fonética, que aposta que é capaz de transformá-la em uma dama da alta sociedade em seis meses.

Todas as Mulheres do Mundo (1966)

Todas as Mulheres do Mundo (1966), de Domingos de Oliveira
O mulherengo Paulo (Paulo José) não consegue pensar em outra coisa que não o romance com a professora Maria Alice (Leila Diniz). Depois de conquistá-la, o namoro passa por períodos de turbulências.

A Farsa do Amor e da Guerra (1966)

A Farsa do Amor e da Guerra (La vie de château, 1966), de Jean-Paul Rappeneau
Durante a Segunda Guerra, em um castelo da Normandia vivem Jerôme (Philippe Noiret), sua mãe e sua esposa Marie (Catherine Deneuve). Com a chegada de Julien (Henri Garcin), um membro da resistência, a relação do casal se complica.

A Primeira Noite de um Homem (1967)

A Primeira Noite de um Homem (The Graduate, 1967), de Mike Nichols
Depois de se formar e voltar para casa nas férias, Benjamin (Dustin Hoffman) é seduzido pela Sra. Robinson (Anne Bancroft). O romance dura até que Ben se apaixona por Elaine (Katharine Ross) filha da amante.

Felizes para Sempre (1967)

Felizes para Sempre (C’era una volta, 1967), de Francesco Rosi
Rodrigo (Omar Sharif) é um príncipe mal-humorado que se encanta com a aldeã Isabella (Sophia Loren). Com um prazo para escolher entre uma de sete princesas em uma festa, ele procura por sua paixão.

Flor de Cacto (1969)

Flor de Cacto (Cactus Flower, 1969), de Gene Saks
O dentista Julian (Walter Matthau) finge ser casado para evitar um compromisso sério. Quando se apaixona por Tony (Goldie Hawn), ela pede para conhecer sua esposa. Ele então pede que Stephane (Ingrid Bergman), sua enfermeira, o ajude na farsa.

Ensina-me a Viver (1971)

Ensina-me a Viver (Harold and Maude, 1971), de Hal Ashby
Harold (Bud Cort) e Maude (Ruth Gordon) formam um casal estranho. Ele é jovem e obcecado pela morte. Ela é idosa e apaixonada pela vida.

Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (1977)

Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (Annie Hall, 1977), de Woody Allen
Alvy (Woody Allen) é um humorista judeu analisado que se apaixona por Annie Hall (Diane Keaton), uma cantora em início de carreira. Em pouco tempo eles decidem morar juntos.

A Garota de Rosa Schocking (1986)

A Garota de Rosa Shocking (Pretty in Pink, 1986), de Howard Deutch
Andie (Molly Ringwald) é uma jovem de classe baixa e se envolve com Blane (Andrew McCarthy), rico e popular colega de escola, mas o romance é reprovado pelos amigos de ambos.

O Feitiço da Lua (1987)

O Feitiço da Lua (Moonstruck, 1987), de Norman Jewison
A viúva Loretta (Cher) vai se casar com Johnny (Danny Aiello), um homem mais velho, mas acaba se apaixonando por Ronny (Nicolas Cage), o irmão do noivo.

Roxanne (1987)

Roxanne (1987), de Fred Schepisi
C.D. Bales (Steve Martin), chefe dos bombeiros, se apaixona pela astrônoma recém-chegada Roxanne (Daryl Hannah). Por ter vergonha de sua aparência, ele não tem coragem de se declarar.

Um Príncipe em Nova York (1988)

Um Príncipe em Nova York (Coming to America, 1988), de John Landis
Akeem (Eddie Murphy) é um rico príncipe que quer que alguém o ame verdadeiramente. Fugindo de um casamento arranjado, ele vai para os EUA, onde começa a namorar Lisa (Shari Headley), escondendo verdadeira identidade.

Ela Vai Ter um Bebê (1988)

Ela Vai ter um Bebê (She’s Having a Baby, 1988), de John Hughes
Jake (Kevin Bacon) e Kristy (Elizabeth McGovern) eram namorados de escola e decidiram se casar. Enquanto ele inveja o estilo de vida de seu amigo solteiro, ela quer ter um bebê.

Harry e Sally - Feitos um para o Outro (1989)

Harry & Sally: Feitos um para o Outro (When Harry Met Sally…, 1989), de Rob Reiner
Após se formar, Harry (Billy Crystal) e Sally (Meg Ryan), mesmo sem ter nada em comum, viajam juntos para Nova York. Cada um leva a sua vida, e os dois acabam tornando-se amigos.

Comédia romântica Comédia romântica Comédia romântica

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.
Botão Voltar ao topo
Fechar