Crítica | Streaming

Poseidon

(Poseidon, EUA, 2006)

Ação

Direção: Wolfgang Petersen

Elenco: Josh Lucas, Kurt Russell, Jacinda Barrett, Richard Dreyfuss, Emmy Rossum, Mía Maestro, Mike Vogel, Stacy Ferguson

Roteiro: Paul Gallico (livro), Mark Protosevich

Duração: 98 min.

Minha nota: 2/10

Acho que, por total insatisfação, o que vou escrever aqui é muito mais um desabafo do que a impressão que eu tive da produção. Quando era mais nova, até gostava de assistir filme-catástrofes como este, mas cresci e as coisas mudaram muito. Não tenho mais a menor paciência para o gênero, a não ser que a coisa seja realmente excelente, o que eu ainda não tive a oportunidade de encontrar por aí.

Com Poseidon a coisa fica ainda mais complicada pois, apesar da superprodução, a história já era minha velha conhecida e, guardada algumas novidades, eu já sabia o que aconteceria.

Sinceramente, não sei qual e a graça que as pessoas vêem em ficar horas na frente de uma tela acompanhando uma série de acontecimentos catastróficos, com cenas que forçam a barra mais do que o possível para a cabeça de qualquer um e esperando para ver quais são as pessoas do grupo que conseguiram não morrer até os créditos finais.

Poseidon, a despeito da direção de Wolfgang Petersen (do excelente Das Boot), não foge a regra e tem atuações exageradas, mentiras além da conta e uma história que no final não acrescenta nada na vida de ninguém.

Bons atores se misturam com muitos outros menos habilidosos e com outros que nem atores são, mas que têm um público cativo, mesmo que seja cantando. Muitas seqüências impressionam pela grandiosidade e pelo quanto devem ter custado.

Mas, independente do meu pensamento, tem muita gente que gosta do gênero e que além de assistir ao filme no cinema, ainda compra o dvd para ter em casa. Mas ainda bem que cada um tem o seu gosto e pode exercitá-lo como bem quiser. Garanto que a minha coleção de comédias-românticas desagradaria a muita gente por aí.

Só para os amantes do gênero e para adolescentes cheios de testosterona.

Um Grande Momento

Eu não gostei de nenhum, mas me falaram que a cena da tubulação era a mais agoniante. Se é o que dizem…



Prêmios e indicações
(as categorias premiadas estão em negrito)

Oscar: Efeitos Visuais

Troféu Framboesa: Pior Remake

Links

Site Oficial

Imdb



Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.

Um Comentário

  1. Os filmes catástrofes dos anos setenta eram interessantes, tinham boa história e as cenas de ação bem legais.
    O original deste Poseidon é muito melhor que este, apesar de ser uma diversão rápida, Wolfgang Petersen já fez filmes bem melhores.

  2. E eu que vi essa porcaria no cinema? Pelo menos a sessão foi agradável, vi com um amigo, zoamos o filme do início ao fim e chegagamos a conclusão que a única coisa que faria o filme ficar bom eram zumbis, hahaha…

    Engraçado como nossas opiniões sobre filme sempre convergem…

    PS: Po, sacanagem com Titanic o povo dizer que Poseidon é Titanic sem a história de amor…

  3. Também achei o filme legalzinho. Para se ver quando não tiver nenhum outro filme interessante.

  4. um filme que desce seco na garganta … personagens sem graças e que o pior de tudo … o fdp do Josh Lucas não morre … que merda!

    pelo menos Kurt Russell foi foda eheheh
    abraços

  5. ahaha, adorei a analise do Pedro.. e concordo totalmente…
    até que me diverti com algumas cenas, mas relamente é um filme extremamente fraco…
    beijos, Isabela

  6. Achei o filme legalzinho. Dá pra matar o tempo direitinho, e entreter por uma hora e pouquinho. Os efeitos especiais são sensacionais. A trama é bobinha e o roteiro é fraco, mas nem me incomodei muito =p

  7. Apesar dos comentários nem muito favoráveis, eu tenho vontade de ver a esse filme. Não vou esperar muita coisa!

Botão Voltar ao topo