Crítica | CinemaCríticasDestaque

Sra. Harris vai a Paris

O preço da delicadeza

(Mrs. Harris goes to Paris, RUN, CAN, FRA, HUN, BEL, 2022)
Nota  
  • Gênero: Comédia, Romance
  • Direção: Anthony Fabian
  • Roteiro: Anthony Fabian, Carroll Cartwright, Keith Thompson, Olivia Hetreed
  • Elenco: Lesley Manville, Isabelle Huppert, Lambert Wilson, Jason Isaacs, Alba Baptista, Lucas Bravo, Ellen Thomas, Rose Williams, Anna Chancellor, Christian McKay, Roxane Duran, Philippe Bertin
  • Duração: 115 minutos

É no momento que encaramos um filme como Sra. Harris vai a Paris, que percebemos que a idade chegou para nós. E não, não tem a ver necessariamente com a moldura do filme, ou com a sua premissa, ou com a cinematografia a que ele se propõe. Tem a ver com um tempo, que passou e não deixou recorte parecido no hoje. Um tempo da gentileza pura e simples, daquele gesto simples e desabonado de intenções, segundas ou mesmo primeiras. O que decide os atos, no fim das contas, é a pureza de quem o pratica, e essa é uma rua que deveria ser de mão dupla, mas nem a iniciativa há mais. A obra de Anthony Fabian resgata o sentido em ser honesto, gentil e amoroso. Não apenas com o alheio, mas sobretudo consigo mesmo, em ter cuidado com a própria jornada e com quem lhes acompanha.

Fabian tem uma carreira já cheia de prêmios, mas que não repercutiu tanto assim quanto esse novo filme, um desses títulos de bilheteria pequenina, mas enorme coração. A julgar por essa incursão na comédia romântica (e um pouco dramática, no sentido de nos tocar com o que vemos), a carreira do rapaz merece ser conhecida. Não há um arroubo por autoralidade, mas há um imenso cuidado com o que se conta, em imagens e em texto. É um filme com menos clichês do que o que vamos guardar dele, que embora sejam chavões, simplesmente fazem bem – sentir e fazer sentir. Sra. Harris vai a Paris chega em um momento de triste polarização, e a protagonista joga isso pro universo em determinado momento: “precisamos dessa delicadeza e desse carinho, ainda mais em momentos como o nosso”. Passado em 1957, o filme é um frescor para as mentes de 2022.

Sra. Harris Vai a Paris
Dávid Lukács/Ada Films Ltd/Harris Squared Kft

Se parecer muito derramada a minha fala, peço desculpas antecipadamente. Mas o que atravessa o espectador ao assistir à produção é um sentimento de perda, de uma saudade de um tempo mais sereno, de amizades e bem quereres mais cálidos do que vemos. Não há, hoje, algo semelhante ao que observamos em Sra. Harris vai a Paris, e infelizmente, apesar de toda a leveza que perpassa cada cena, o fim da sessão é melancólico. Como se víssemos um conto de fadas imaginado por Walt Disney ou Andersen, o lugar que esses personagens se encontram é vestido com muita ternura. Não é algo irreal ou fantasioso, mas uma nesga de possibilidade do que poderíamos transformar mudando muito pouco em nossa essência. Estendendo a mão, sendo amáveis e querendo verdadeiramente apenas o bem do próximo, literalmente sem olhar a quem. 

Apoie o Cenas

Mesmo os personagens negativados parecem precisar de uma ajuda, um abraço, um afago e que efetivamente os outros tipos estariam dispostos a servir para com isso. Na totalidade, são pessoas que erram, não são infalíveis, e chegam até a cometer deslizes morais, agressões não intencionais, machucados indiretos. Acima de tudo, da humanidade e das fraquezas, são pessoas que, pasmem, apesar de não encontrá-las com frequência, estão claramente retratadas como seres de carne e osso. Porque bem escritas e bem interpretadas, com brilho incontestável em suas lapidações, Sra. Harris vai a Paris enxerta nesse grupo de pessoas uma capacidade de refletir sobre coisas que parecem bobas e pueris, mas que reverberam com poderosa representação a cada nova reflexão sutil que propõe. 

Sra. Harris Vai a Paris
Dávid Lukács/Ada Films Ltd/Harris Squared Kft

Qual a idade em que precisamos parar de sonhar? O sonho é restrito a que tipo de classe social? O que fazer quando repetidos ‘nãos’ chegam até nós? Quase tudo em Sra. Harris vai a Paris é uma celebração afirmativa na direção da felicidade. Não importa quantas vezes tropeçamos, e sim o quanto podemos olhar para os lados e não nos vermos sós. Como disse em outro momento do texto, sim, o filme não deixa de nos prometer clichês, mas eles não são construídos de maneira leviana ou pobre. É uma faixa que repete a todo tempo que precisamos aprender a lidar muito mais com o sucesso do que com o fracasso, que acontece diariamente. As vibrações positivas que o filme valida saem com o público por muito mais tempo além do fim da sessão, e quem me olhar torto pela minha ‘nota alta’, que compre um novo coração.

Conhecendo o talento incomensurável de Lesley Manville (indicada ao Oscar por Trama Fantasma, além de igualmente poder ter sido pelos sensacionais Mais um Ano e Deixe-o Partir), é fácil entrar em Sra. Harris vai a Paris achando que veremos apenas seu desfile interminável de excelência. É também isso, mas se junta a um elenco primoroso que vai de Isabelle Huppert e Jason Isaacs a novatos como Lucas Bravo e Alba Baptista para dar relevo a uma história que, na verdade, desconstrói a fantasia, e é o principal poderio da produção – a afirmação da coletividade. Não é que o sonho seja inalcançável, mas tudo pode e será retificado com gentileza, com um carinho suave em alguém que se ama ou que se aprendeu a amar. Me chamem de brega, mas sim, saí absolutamente comovido e inspirado emocionalmente com a produção mais doce de 2022. 

Um grande momento

Uma última surpresa bate à casa de Ada

Francisco Carbone

Jornalista, crítico de cinema por acaso, amante da sala escura por opção; um cara que não consegue se decidir entre Limite e "Os Saltimbancos Trapalhões", entre Sharon Stone e Marisa Paredes... porque escolheu o Cinema.
Assinar
Notificar
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver comentário
Botão Voltar ao topo