Crítica | Streaming

A Nossa Canção de Amor

Receitinha musical

(Country at Heart, EUA, 2020)
Nota  
  • Gênero: Romance
  • Direção: Bradley Walsh
  • Roteiro: Brigit Stacey, Rick Garman
  • Elenco: Jessy Schram, Niall Matter, Lucas Bryant, Ted Whittall, Zach Smadu, Tommie-Amber Pirie, Chris Handfield
  • Duração: 84 minutos

Sabe aquele filme que só existe para que a gente desligue a cabeça e passe os próximos minutos sem pensar em nada? A Nossa Canção de Amor, estreia da semana no Telecine, é exatamente esse modelo de produção despretensiosa, que segue fórmulas prontas de romances fáceis e são muitas vezes recicladas e reprisadas. Nada que surpreenda para uma produção com o selo Hallmark Channel que o telefilme carrega com orgulho. 

Para quem não conhece a logística do canal, vale explicar que eles têm selos definidos onde encaixam formatinhos de roteiro e um casting fixo contratado. Seus maiores sucessos são aqueles filmes de Natal que a gente vê no período das festas, geralmente do selo “Countdown to Christmas”. Jessy Schram (a Cinderela de Once Upon a Time) e Niall Matter têm uma filmografia extensa na emissora e se encontraram nesse água com açúcar musical da coleção “A little romance”.

A Nossa Canção de Amor
Copyright © 2021 Crown Media Family Networks

A história lembra o fofo Letra e Música, com Drew Barrymore e Hugh Grant, onde os dois compõem uma música para uma diva da música pop apresentar num show gigante, mas também tem pitadas de qualquer outro filme onde uma aspirante a cantora pula de teste em teste para tornar-se famosa, sem toda aquela parte terrível — outra marca registrada do canal é que nunca há nada muito terrível em seus títulos. Em A Nossa Canção de Amor, o  compositor que precisa escrever uma canção para seu desafeto e grande astro e a aspirante a cantora da música country se encontram e não é preciso dizer mais nada, não é mesmo?

Apoie o Cenas

O que se vê segue um caminho pré-estabelecido, mas aqueles que estão diante da televisão, sabem muito bem disso. Desde os personagens principais até aqueles mais coadjuvantes, não há ninguém que fale algo inesperado, e por mais que a trama seja previsível, Schram e Matter ainda conseguem encontrar carisma para fazer a troca de olhares funcionar aqui e ali. De resto, tudo é igual ao que se viu no filme ao lado, a casa da fazenda, a feira, as barracas de jogos, as caminhonetes gigantes, o caminhão do astro e até o hotelzinho da cidade deixam sempre uma impressão de lugares que já vimos muitas vezes antes.

A Nossa Canção de Amor
Copyright © 2021 Crown Media Family Networks

O que diferencia um pouco A Nossa Canção de Amor são as músicas — não tanto, já que elas se repetem dentro do próprio filme — e os números musicais. Schram, que esteve na série Nashville como Cash, se sai bem, e Matter se esforça para acompanhar, embora seja visível como se sente intimidado. Mas os dois até que juntos funcionam, seja cantando ou não, e fazem com que a gente espere o final. E Hallmark segue com sua fábrica aberta produzindo em série filmes que são bonitinhos, mas que funcionam muito bem para quando a gente só quer passar o tempo sem pensar em nada.

Um grande momento
A canção que vira uma história

Curte as críticas do Cenas? Apoie o site!

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.
Botão Voltar ao topo