Festivais e mostras

Acabou! FIC Brasília 2008

Depois de doze loucos dias, correndo de uma sala de cinema para a outra e vendo uma média de três filmes por dia, chegou ao fim hoje a décima edição do Festival Internacional de Cinema de Brasília.

Na festa de encerramento, capitaneada por Orã Figueiredo e Renata Caldas, foram revelados os ganhadores dos prêmios.

III Prêmio Itamaraty

Melhor Curta

O Despejo ou… Memórias de Gabiru, de Sergio Glenes

Melhor Longa

Juventude, de Domingos de Oliveira

Menção Honrosa

Cinderela, Lobos e o Príncipe Encantado, de Joel Zito Araújo

Conjunto da Obra

Nelson Pereira dos Santos

Prêmio Buriti

Melhor Filme

Sleep Dealer, de Alex Rivera

Prêmio Especial

Mataram a Irmã Doroty, de Daniel Junge

Melhor Direção

Vicente Amorim, por Um Homem Bom

Menção Honrosa

Selton Mello, por Feliz Natal

O momento mais emocionante da noite ficou por conta da premiação, mais do que merecida, ao diretor Nelson Pereira dos Santos. O embaixador Arnaldo Carrilho foi o responsável pela entrega do prêmio e contou ao público sobre sua grande amizade com o cineasta paulista que, além de ser seu padrinho de casamento, foi o responsável por sua forte ligação com o cinema, após o episódio de censura do filme Rio 40 Graus.

Nelson, que completou 80 anos no mês passado, agradeceu pelo prêmio e pelas palavras do amigo e lembrou que nunca recebeu tantos presentes de aniversário como agora.

Segundo ele, o melhor deles foi a recuperação, pelo Ministério de Relações Exteriores, dos negativos do filme Rio 40 Graus, que já não existiam no Brasil. Uma cópia estava arquivada em Praga e agora encontra-se novamente em solo brasileiro. O cineasta diz que foi tão bom que agora ele está com vontade de viver mais 80 anos para ganhar outro presente assim.

Entre muitos atores e cineastas estava presente o simpático ator estadunidense Bill Pullman, que subiu no palco e falou em um estranho português que era uma honra ter sido convidado para o festival. Depois ele mesmo brincou com o seu jeito de falar.

Após a cerimônia de encerramento foi exibido o filme Sob Controle, de Jennifer Lynch.

Agora fica aquele vazio no peito e a saudade de tantos filmes bons e de toda a equipe de produção/imprensa, sempre solícita. A sorte é que a abstinência não dura muito, pois no dia 18 de novembro começa a correria de novo com o Festival de Brasília.

As resenhas dos filmes Síndrome de Pinocchio, Monsieur Morimoto, Ninho Vazio e Sob Controle serão publicadas nos próximos dias.

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.

Um Comentário

  1. Pode deixar que eu te aviso sim, Francisco! E você também, se vier por essas bandas de cá, ok?

    Eu escrevi um artigo falando dos cinéfilos na rede e citei o Adoro Cinema. Não sei se vai ser publicado. Se for te aviso…

    Beijocas

  2. Para quem gosta de cinema é essencial. Quando o Festival acaba estou arrebentado, mas se tivesse + uma semana de duração tenho certeza que estaria lá, firme e forte.

    A grande verdade é que só os apaixonados por cinema se dispõem a isso.

    Se vc vier ao Festival do Rio me dá um toque, a gente pode combinar de se encontrar. No de Brasília estou pensando em ir no do ano que vem, se tudo correr bem.

  3. Mas é bom demais, né Francisco? Fica até difícil se acostumar a não estar sempre dento do cinema…
    Quanto ao sacrifício, meus filhos não gostam nada quando tem festival por aqui. hehehe
    E eu quero muito ir Festival do Rio. Quem sabe no ano que vem, né?

    Beijocas

  4. Cinéfilo é assim mesmo, vê um festival de cinema e embarca de cabeça. Sei bem como é, costumo dizer que “Festival do Rio é época de sacrifícios”, justamente por viver esta correria que vc passou.

    Tem alguns filmes que vc comentou que pude ver no Festival do Rio. Darei uma lida neles.

  5. Oi, gente!!

    Red Dust – Pois não foi? Mas estou sofrendo agora. Saudade de cinema, sabe? Hehehe

    Vinícius – Obrigada! A premiação foi meio estranha mesmo. Eu não gostei de Sleep Dealer e, apesar de repeitar Juventudo, outros concorrentes são muitos melhores.

    Alyson – Foi bom demais! Espero que muitos destes filmes estejam disponíveis depois.

    Robson – Um dia você vai ter essas chances…

    Kau – Foi uma coisa maravilhosa mesmo!

    Wally – Hoje já disponibilizei uma, mas ainda quero fazer um balanço também. Tomara que dê tempo!

    Carol – Foi muito correria, mas foi ótimo! Eu fui super bem atendida sim e adorei te conhecer!

    Pedro – É um grande filme. A estréia está prevista para o dia 21 desse mês!

    Vivi – Curti muito! Ano que vem tem mais!!!

    Beijocas a todos

  6. ô minha flor, parabens pela maratona!
    tenho certeza que vc curtiu ao máximo!!!!
    bjoooooo

  7. Cecília,

    que correria foi o X FIC Brasília, né? Mas, no fim, deu quase tudo certo!

    Espero tê-la atendido sempre que precisou e obrigada pelas postagens!

    Um beijo,

    Carol Sales

  8. Bem, adorei sua cobertura e pelo jeito, foi um festival completíssimo. Aguardo as novas críticas.

    Ciao!

  9. Aeee Cecília!! Que bom que pôde acompanhar todo este belo Festival!!

    Bjos!!

  10. Quisera eu ter essa chance e disponibilidade!! shoow! Boa cobertura!

  11. “Depois de doze loucos dias, correndo de uma sala de cinema para a outra e vendo uma média de três filmes por dia”

    Nossa, que inveja!! haha!!
    Parabéns Cecilia pela excelente cobertura e por assim nos mostrar alguns filmes ‘alternativos’ que podemos ver um dia.

    Beijos!

  12. Antes de mais nada, parabéns pela cobertura, realmente não deixou escapar nada, coisa de profissional. Quanto aos prêmios, só achei estranha a menção para o Vicente Amorim, já que “Um Homem Bom” foi bastante criticado. Abraço!

  13. Mas que maratona!!!!! Ufa… agora descansa um bocadinho!!!!! :)

    Beijinho.

Botão Voltar ao topo
Fechar