Crítica | Streaming

Amor com Data Marcada

Fast food para as massas

(Holidate, EUA, 2020)

  • Gênero: Comédia, Romance
  • Direção: John Whitesell
  • Roteiro: Tiffany Paulsen
  • Elenco: Emma Roberts, Luke Bracey, Kristin Chenoweth, Frances Fisher, Andrew Bachelor, Jessica Capshaw, Manish Dayal, Alex Moffat, Cynthy Wu
  • Duração: 103 minutos
  • Nota:

Emendar a cobertura de seis festivais de cinema em pouco mais de dois meses pode fazer qualquer um enlouquecer de vontade de mergulhar ao primeiro sinal de Amor com Data Marcada, novo hit da Netflix extremamente descartável e por isso mesmo a resposta às súplicas para quem estava em dieta de narrativas búlgaras, malaias e filipinas. Ainda que tenha entrado em contato com grandes obras da filmografia mundial, às vezes tudo que precisamos é de pipoca e refrigerante, principalmente quando você estava há tanto tempo sem, e é isso que a gigante do streaming oferece com seu sucesso do momento.

O diretor John Whitesell tem quase 40 anos de experiências em episódios de séries de tv e poucos longas, todos comédias descartáveis e esquecíveis, sendo que os dois mais famosos são as continuações de Vovó…Zona, ou seja, nada que ele fez ficará para posteridade, muito menos essa nova incursão, um comédia romântica sem qualquer compromisso ou maiores pretensões. Porém essa é uma característica que a Netflix compreende, eles entendem de demandas inúmeras e produzem material específico para tantas delas, e esse é mais um produto, que ainda assim pode ser apreciado se for exatamente o que você está procurando, e se não superestimar a experiência.

Amor com Data Marcada

Produzido por McG (de A Babá), o filme é uma “sessão da tarde” passageira que ao menos se encarrega em criar diálogos espirituosos e algumas cenas realmente divertidas para rechear um projeto que não exige do espectador nada além do que sua diversão. Sem esconder sua proposta, o filme não escamoteia seu resultado – as coisas são como são. Ao ser apresentado ao seu mote, o espectador não terá dúvida do que verá por 1 h e 40 minutos, e o filme nem tenta disfarçar. Essa honestidade valem pontos preciosos e Amor com Data Marcada sai no lucro justamente por dizer que tinha alvos e tentar alcançar todos.

Há dois meses atrás Amor Garantido fez trabalho semelhante na Netflix, e agora esse novo exemplar se junta a esse grupo. Se no anterior tínhamos valores de produção aparentes que contrabalançavam seus diálogos óbvios, aqui temos uma concepção mais modesta (bem mais, na verdade), porém as picardias propostas pelos diálogos escritos no roteiro de Tiffany Paulsen compensam a aparência acanhada do filme. Os personagens tem língua afiada sem parecerem todos a mesma pessoa (erro típico de muitos roteiros), o que acaba criando uma atmosfera deliciosa de ser acompanhada.

Amor com Data Marcada

Para um filme com essa roupagem funcionar seu elenco deve estar minimamente entrosado. O casal protagonista, por exemplo, vende química e adequação ao que o projeto propõe. Emma Roberts, que acabou de ser vista em A Caçada e que já esteve com um roteiro de Tiffany antes (Nancy Drew) mais uma vez reveste suas cenas com um talento mais do que comprovado a essa altura, enquanto Luke Bracey (Até o Último Homem) desenvolve seu charme britânico cheio de verve maliciosa. No geral é um elenco todo muito coeso, que consegue se sair bem mesmo em cenas com marcação cômica muito claras, o que tira a naturalidade do todo por diversas vezes, ainda que em outras o humor físico funcione bem.

Amor com Data Marcada se sobressai ao ter consciência de que não precisa ousar tecnicamente nem se provar discípulo de Woody Allen para entreter e fazer rir, pois isso o filme tem de sobra; se abdicasse de algumas piadas de mau gosto envolvendo câncer e quimioterapia, seria um ganho. No entanto, não há nenhum mal em se mostrar um produto de fácil e rápido consumo, sem se preocupar muito com arestas e depurações dramáticas nem espaço para uma construção refinada. É algo que o espectador sabe começo, meio e fim, e ainda assim as expectativas sáo atendidas para aquelas almas cansadas da pressão de semanas exigentes.

Um grande momento
“Dirty Dancing”

Ver “Amor com Data Marcada” na Netflix

Francisco Carbone

Jornalista, crítico de cinema por acaso, amante da sala escura por opção; um cara que não consegue se decidir entre Limite e "Os Saltimbancos Trapalhões", entre Sharon Stone e Marisa Paredes... porque escolheu o Cinema.
Botão Voltar ao topo