Crítica | Streaming

Se Algo Acontecer… Te Amo

Uma dor sem fim

(If Anything Happens I Love You, EUA, 2020)
Nota  
  • Gênero: Animação
  • Direção: Michael Govier, Will McCormack
  • Roteiro: Michael Govier, Will McCormack
  • Duração: 12 minutos

Se há uma dor compreensível, mesmo que seja impossível dimensioná-la sem passar por ela, é a de um pai ou uma mãe que perdem o seu filho. Há um entendimento básico quanto ao ciclo da vida, de expectativa e vínculo à lógica temporal que não consegue admitir essa ruptura. Em 2D, com traço esboçado, Se Algo Acontecer… Te Amo, doído curta de animação da Netflix, conta a história de como um casal enfrenta o luto após ter perdido a filha em uma chacina na escola. Dirigido pelos atores Michael Govier e Will McCormack, o filme fala de perda, vazio e lembranças de uma maneira avassaladora. O passado e presente se misturam em imagens tomadas por risos infantis, músicas e um espírito familiar reconhecível. 

Perder um filho é sempre horrível, mas o filme de Govier e McCormack fala de um país que cultua o armamento civil a tal ponto que você pode deixar o seu filho na escola e horas depois receber uma mensagem que nunca será capaz de responder, porque o filho de outra pessoa chegará com uma arma e disparará contra todos. Algo que pode ser visto em outros filmes como Tiros em Columbine, Elefante, Precisamos Falar Sobre Kevin e centenas de matérias jornalísticas que falam sobre ataques semelhantes.

Se Algo Acontecer... Te Amo

A animação trabalha com os sentimentos de impotência diante da imprevisibilidade dos fatos, da ruptura das expectativas. A lembrança dos pais do dia do ocorrido, numa mescla de sonhos que aproximam eventos como o último aniversário e os últimos momentos. Neles, sombras surgem como lamentos pelo que não foi feito, o não avisar, o não aproveitar. No fundo, são essas sombras que narram a tragédia em contraposição às imagens coloridas que apenas seguem a vida que resta nas lembranças da filha. Ora como consolo, ora como lamento.

Elas assumem a narração e são as responsáveis por dar fluidez ao movimento, alternando entre o passado e o presente, entre a ausência e a lembrança, entre o afastamento e a comunhão, a tristeza e cumplicidade. Tão personagens quanto aqueles outros dois sobreviventes que têm suas cores para viver o dia a dia, de um modo contraditório, elas talvez até apresentem mais capacidade de resposta a uma situação tão paralisante como aquela. Mesmo em sua ausência de cor, são os dois pedaços de dor que conseguem mover o mundo e reaproximar o que não consegue mais se mover por pura falta de vontade de continuar.

Se Algo Acontecer... Te Amo

É belo, é lancinante. Mas é muito importante o destaque que os diretores dão à porta fechada e à bandeira na fachada. Não é apenas uma vida perdida ao acaso. Há um fato, há um motivo. Quando se ouvem tiros, correria, gritos e se vê uma mensagem sendo digitada que nunca conseguirá ser lida por ninguém há uma outro texto muito importante sendo passado. Segundo levantamento do Washington Post, desde 1999, pelo menos 221 mil jovens foram expostos a situações de violência armada dentro de colégios americanos. 

Se Algo Acontecer… Te Amo é um curta belíssimo que em seus poucos 12 minutos fala de maneira muito sensível sobre luto e sobre uma das maiores dores que um ser humano pode sentir. Mais do que isso, fala da violência e de uma questão maior que é a de um Estado que defende algo que não tem como controlar e não tem como prever os limites e as consequências. Vidas não têm como voltar.

Um grande momento
Juntando os lutos

Ver “Se Algo Acontecer… Te Amo” na Netflix

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.
Botão Voltar ao topo