Crítica | Festival

Seiva Bruta

(Seiva Bruta, BRA, 2019)
Nota  
  • Gênero: Drama
  • Direção: Gustavo Milan
  • Roteiro: Gustavo Milan
  • Elenco: Samantha Castillo, Luiz Carlos Vasconcelos, Abilio Torres, Brenda Moreno
  • Duração: 17 minutos

O que leva uma mãe a deixar a filha para trás na Venezuela e atravessar por perigos para chegar em São Paulo?

O desespero. Ele é latente no semblante de Marta. Em cada gesto ou olhar acabrunhado, desconfiado e carregado de dor dela – que a câmera captara em planos médios – ele transparece. A mulher está dando leite, o que para um casal de aparentes jovens ingênuos, vem muito a calhar.

Escrito e dirigido por Gustavo Milan, Seiva Bruta é impecável tanto na técnica quanto na construção narrativa e nos acertos silenciosos do roteiro – que versa sobre abandono, patriarcado, opressão, machismo, miséria, ganância, medo e esperança. O bebê de nome Roraima é simbolicamente o elemento elíptico da história, aquele que toda a hora nos coloca mais dentro da trama sofrida de Marta e também de Alice, a mãe mas que não tem a capacidade de alimentar a filha.

Apoie o Cenas

Um grande ponto de virada se arma e se completa, ainda apontando para um extrato social e a paisagem marcante da Amazônia, onde as estradas enlameadas, as cidadezinhas brotadas no meio da floresta e a imensidão do rio completam as emoções dos personagens. As cenas foram rodadas em Manaus e arredores.

A capital amazonense, que hoje tanto sofre as consequências drásticas das más gestões estadual e municipal, que está todo o dia no noticiário com mais e mais mortes provocadas pela segunda cepa do corona virus e pela falta de oxigênio nas unidades de saúde, é cenário e também lugar de uma cena audiovisual pulsante – só lembrar do premiado O Barco e o Rio, de Bernardo Ale Abinader, também presente nessa edição da mostra.

[24ª Mostra de Cinema de Tiradentes]

Lorenna Montenegro

Lorenna Montenegro é crítica de cinema, roteirista, jornalista cultural e produtora de conteúdo. É uma Elvira, o Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema e membro da Associação de Críticos de Cinema do Pará (ACCPA). Cursou Produção Audiovisual e ministra oficinas e cursos sobre crítica, história e estética do cinema.
Botão Voltar ao topo