Crítica | FestivalMostra SP

Suor

A feiura num mundo de aparências

(Sweat, POL, SWE, 2020)

  • Gênero: Drama
  • Direção: Magnus von Horn
  • Roteiro: Magnus von Horn
  • Elenco: Magdalena Kolesnik, Julian Swiezewski, Aleksandra Konieczna, Zbigniew Zamachowski, Tomasz Orpinski, Lech Lotocki, Magdalena Kuta, Dominika Biernat, Katarzyna Dziurska, Wiktoria Filus
  • Duração: 100 minutos
  • Nota:

Imagine Gabriela Pugliesi expondo sua tristeza e solidão para seus 4 milhões de seguidores. Como essa mudança de postura, essa suposta fragilidade e humanidade vinda de uma das mais fervorosas propagadoras da “vida de plástico” perfeita e inalcançável no Instagram afetaria a virtualidade? Para quem não sabe, a brasileira é uma das grandes webcelebridades do segmento fitness, que diariamente expõe seu corpo e vida perfeitos na rede social. Partindo da premissa da exposição de uma instagramer, Sylwia que cansada de viver das aparências tem um momento de fragilidade, Suor radiografa esse fenômeno tão contemporâneo e frequente nas mídias sociais.

Sofrendo de depressão ou de uma crise de consciência, a bela, loira, magra, mãe de pet e estridentemente positiva Sylwia é una simbiose de todas as blogueiras da moda, pessoas que aparentemente tentam tornar a vida de seus seguidores melhor disfarçando o vazio das própria vidas. Intercalando sequências frenéticas onde treina em grupos ou se apresenta em stories com cenas introspectivas e doloridas, que apontam para a rejeição materna ou a opressão machista, Suor traz para a superfície as feiuras de um mundo feito de aparências, de curtidas e de uma felicidade volátil.

Suor, filme selecionado para a 44ª Mostra de São Paulo

O filme de Magnus von Horn apresenta um clímax surpreendente, a partir da dinâmica entre Sylwia, o dançarino que a cobiça sexualmente e um stalker. Não querendo ser a história definitiva sobre o fato de que, no fundo no fundo, os seguidores significam mais para as influenciadoras do que o contrário, Suor entretém e engaja bem mais do que 600k a partir da muito crível atuação de sua atriz principal.

Suor se passa na Polônia mas podia totalmente ser no Brasil, apontando para a crise de consciência daquela que devia dar (bom exemplo) mas no auge da quarentena fez festas e aglomerações. O que Sylwia aprendeu da maneira mais dolorida e enfática e que Pugli passa longe de captar é a seguinte mensagem: “as pessoas fracas e patéticas são as mais bonitas.” Simples assim, sem filtros embelezadores da realidade.

Um grande momento
“As pessoas me aceitam do jeito e querem ver os bons e maus dias”

[44ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo]

Lorenna Montenegro

Lorenna Montenegro é crítica de cinema, roteirista, jornalista cultural e produtora de conteúdo. É uma Elvira, o Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema e membro da Associação de Críticos de Cinema do Pará (ACCPA). Cursou Produção Audiovisual e ministra oficinas e cursos sobre crítica, história e estética do cinema.
Botão Voltar ao topo