EspecialNotícias

25º Prêmio Guarani anuncia indicados

Acabaram de sair os indicados ao Prêmio Guarani que, em sua 25ª edição, promove um dos mais amplos e representativos recortes sobre o cinema brasileiro do país. Esse ano, os dois esperados e mais badalados filmes do ano passado conseguiram os maiores números de indicações, Bacurau de Juliano Dornelles e Kleber Mendonça Filho, e A Vida Invisível de Karim Aïnouz, com 15 e 13 nomeações, respectivamente. Premiados em Cannes em 2019, os filmes permearam todos os debates no Brasil entre a crítica e os espectadores, estando comumente nas listas de melhores de muitos cinéfilos e especialistas.

O Prêmio Guarani é votado pelos profissionais da crítica no país e, nessa primeira fase, contou com mais de 40 nomes. A categoria de melhor filme foi completada por outros grandes campeões de indicação do ano, Inferninho, Temporada e No Coração do Mundo, os dois primeiros com 8 e o terceiro com 7 indicações. A mineira Filmes de Plástico, dos amigos André Novais Oliveira, Gabriel Martins, Maurílio Martins e Thiago Macêdo Correia, é responsável pelos dois últimos e está comemorando sua primeira década com dois filmes muito queridos.

Carol Duarte em A Vida Invisível

Na categoria de direção, Beatriz Seigner e Gabriela Amaral Almeida quebraram o jejum masculino, com seus Los Silencios e A Sombra do Pai. Em fotografia, o feito foi ainda maior – três mulheres indicadas, o que aumenta as chances de vitória. Em todas as categorias principais (filme, direção e as seis de atuação) a diversidade foi celebrada; nenhuma delas passou sem um profissional negro.

Entre os títulos, que tradicionalmente diferem – e muito – do que a Academia enxerga como pluralidade de linguagem e temática, LGBTQIs, indígenas, olhares sobre a realidade feminina, relações raciais, sexuais e até religiosas foram lembrados no Prêmio Guarani. Campeões de bilheteria (como Turma da Mônica: Laços) se uniram a propostas estéticas arrojadas (como A Noite Amarela) foram igualmente aplaudidos, assim como o cinema de gênero, e as frequentes biografias que não perdem a chance de aparecer em listas. Todos tiveram de alguma forma um olhar especial do Guarani.

Marco Nanini em Greta
Marco Nanini em Greta

Entre as atuações, chamam a atenção veteranos do prêmio e da nossa dramaturgia, como Fernanda Montenegro, Marco Nanini e Sônia Braga, estarem ao lado de grandes nomes da nova dramaturgia nacional, como Grace Passô, Silvero Pereira e Yuri Yamamoto – o primeiro descendente oriental indicado a um Guarani de interpretação. Grace, inclusive, conseguiu o que é raro até no Oscar: somar indicações como protagonista e coadjuvante, provando porque é um dos principais nomes na arte hoje, seja no cinema ou no teatro, onde se revelou.

O Prêmio Guarani terá seus vencedores revelados em 1º de julho, e, até lá, é correr atrás de ver os 44 títulos indicados em diferentes categorias desse ano e comprovar a qualidade superlativa na qual o nosso cinema se encontra.

Abaixo, os indicados:

MELHOR FILME
A Vida Invisível, produção de Michael Weber, Rodrigo Teixeira e Viola Fügen
Bacurau, produção de Emilie Lesclaux, Michel Merkt, Olivier Père e Saïd Ben Saïd
• Inferninho, produção de Caroline Louise, Guto Parente e Rogério Mesquita
• No Coração do Mundo, produção de André Novais Oliveira, Gabriel Martins, Maurílio Martins e Thiago Macêdo Correia
• Temporada, produção de André Novais Oliveira, Gabriel Martins, Maurílio Martins e Thiago Macêdo Correia

MELHOR ATRIZ
• Andréa Beltrão, por Hebe: A Estrela do Brasil
• Barbara Colen, por Bacurau
• Dira Paes, por Divino Amor
• Grace Passô, por Temporada
• Kelly Crifer, por No Coração do Mundo

MELHOR ATOR
• Daniel de Oliveira, por Morto Não Fala
• Fabrício Boliveira, por Simonal
• Julio Machado, por A Sombra do Pai
• Marco Nanini, por Greta
• Yuri Yamamoto, por Inferninho

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
• Eliane Giardini, por Deslembro
• Fernanda Montenegro, por A Vida Invisível
• Grace Passô, por No Coração do Mundo
• Luciana Paes, por A Sombra do Pai
• Sonia Braga, por Bacurau

MELHOR ATOR COADJUVANTE
• Demick Lopes, por Greta
• Enrique Diaz, por Los Silencios
• Renato Novaes, por Temporada
• Rodrigo Santoro, por Turma da Mônica: Laços
• Silvero Pereira, por Bacurau

REVELAÇÃO FEMININA
• Carol Duarte, por A Vida Invisível
• Giulia Benite, por Turma da Mônica: Laços
• Jeanne Boudier, por Deslembro
• Julia Stockler, por A Vida Invisível
• MC Carol, por No Coração do Mundo

REVELAÇÃO MASCULINA
• Christian Malheiros, por Sócrates
• Kevin Vechiatto, por Turma da Mônica: Laços
• Rafael Martins, por Inferninho
• Russo APR, por Temporada
• Valmir do Coco, por Azougue Nazaré

MELHOR ELENCO
• Fernanda Rocha (treinadora de elenco), por A Vida Invisível
• Guto Parente e Pedro Diogenes (diretores de elenco), por Inferninho
• Marcella Jacques (diretora de produção), por No Coração do Mundo
• Marcella Jacques (diretora de produção), por Temporada
• Marcelo Caetano (diretor de elenco), por Bacurau

MELHOR DIREÇÃO
• André Novais Oliveira, por Temporada
• Beatriz Seigner, por Los Silencios
• Gabriela Amaral Almeida, por A Sombra do Pai
• Juliano Dornelles e Kleber Mendonça Filho, por Bacurau
• Karim Ainouz, por A Vida Invisível

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
• André Novais Oliveira, por Temporada
• Beatriz Seigner, por Los Silencios
• Gabriela Amaral Almeida, por A Sombra do Pai
• Guto Parente, Pedro Diogenes e Rafael Martins, por Inferninho
• Juliano Dornelles e Kleber Mendonça Filho, por Bacurau

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
• Armando Praça, por Greta
• Claudia Jouvin e Dennison Ramalho, por Morto Não Fala
• Gabriel Martins, por Maurílio Martins, por No Coração do Mundo
• Inés Bortagaray, Karim Ainouz e Murilo Hauser, por A Vida Invisível
• Tiago Doltori, por Turma da Mônica: Laços

MELHOR FOTOGRAFIA
• Diego Garcia, por Divino Amor
• Hélène Louvart, por A Vida Invisível
• Heloisa Passos, por Deslembro
• Pedro Sotero, por Bacurau
• Sogia Oggioni, por Los Silencios

MELHOR MONTAGEM
• Eduardo Serrano, por Bacurau
• Gabriel Martins e Maurílio Martins, por No Coração do Mundo
• Gabriel Martins, por Temporada
• Heike Parplies, por A Vida Invisível
• Olivia Brenga, por Bixa Travesty

MELHOR TRILHA SONORA
• Benedikt Schiefer, Guilherme Garbato e Gustavo Garbato, por A Vida Invisível
• Linn da Quebrada, por Bixa Travesty
• Mateus Alves e Tomas Alves Souza, por Bacurau
• Max de Castro de Wilson Simoninha, por Simonal
• Mestre Anderson, Tomas Alves Souza e Tiago Melo, por Azougue Nazaré

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
• Cassio Amarante e Mariana Falvo, por Turma da Mônica: Laços
• Rodrigo Martirena, por A Vida Invisível
• Thaís Augusto Lima, por Inferninho
• Thales Junqueira, por Bacurau
• Thales Junqueira, por Divino Amor

MELHOR FIGURINO
• Antonio Medeiros, por Hebe: A Estrela do Brasil
• Fernanda Manques, Manuela Mello e Veronica Julian, por Turma da Mônica: Laços
• Filipe Arara e Isac Bento, por Inferninho
• Marina Franco, por A Vida Invisível
• Rita Azevedo, por Bacurau

MELHOR MAQUIAGEM
• André Anastácio, por A Sombra do Pai
• Britney Federline, por Morto Não Fala
• Gutto Moreira, por Inferninho
• Simone Batata, por Hebe: A Estrela do Brasil
• Tayce Vale, por Bacurau

MELHOR SOM
• Ana Chiossi, Ariel Henrique e Leonardo Bortolin, por A Noite Amarela
• Björn Wiese, Laura Zimmermann e Waldir Xavier, por A Vida Invisível
• Cyril Holtz, Nicolas Hallet e Ricardo Cutz, por Bacurau
• Daniel Turini, Fernando Henna e Gabriela Cunha, por A Sombra do Pai
• Daniel Turini, Fernando Henna, Gustavo Nascimento e Jean-Guy Veran, por Los Silencios

MELHORES EFEITOS VISUAIS
• Eduardo Schaal, Guilherme Ramalho e Hugo Gurgel, por Carcereiros: O Filme
• Guilherme Ramalho, por Morto Não Fala
• Marcelo Siqueira, por Mormaço
• Marco Prado, por Turma da Mônica: Laços
• Vagner Martão, por Bacurau

MELHOR DOCUMENTÁRIO EM LONGA-METRAGEM
Bixa Travesty, produção de Evelyn Mab e Kiko Goifman
• Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos, produção de João Salaviza, Renée Nader Messora, Ricardo Alves Jr. e Thiago Macêdo Correia
Democracia em Vertigem, produção de Joanna Natasegara, Petra Costa, Tiago Pavan e Shane Boris
Estou me guardando para quando o carnaval chegar, produção de João Vieira Jr. e Nara Aragão
Torre das Donzelas, produção de Susanna Lira e Tito Gomes

MELHOR ANIMAÇÃO
• A Cidade dos Piratas, produção de Elisa Rocha e Marta Machado
• Apneia, produção de Edu MZ Camargo
• Carne, produção de Chelo Loureiro e Lívia Perez
• Sangro, produção de Tiago Minamisawa
• Tito e os Pássaros, produção de Daniel Greco, Felipe Sabino e Gustavo Steinberg

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
Dor e Glória, de Pedro Almodóvar (ESPANHA)
Guerra Fria, de Pawel Pawlikowski (POLÔNIA)
O Irlandês, de Martin Scorsese (EUA)
Parasita, de Bong Joon Ho (CORÉIA DO SUL)
Pássaros de Verão, de Cristina Gallego e Ciro Guerra (COLÔMBIA)

MELHOR CURTA-METRAGEM DE FICÇÃO
• A Mulher que Sou, produção de Dora Amorim e Thaís Vidal
• Baile, produção de Ana Paula Mendes
• Ilhas de Calor, produção de Thamires Vieira
• Marie, produção de Arthur Leite
• Tea For Two, produção de Laila Pas e Lara Lima

MELHOR DOCUMENTÁRIO EM CURTA-METRAGEM
• Copacabana Madureira, produção de Francisco Vasconcelos, Leonardo Martinelli, Nicolas Bezerra e Rafael Lopes Cesar
• Negrum3, produção de Victor Casé
• Quebramar, produção de Camila Gaglianone
• Sete Anos em Maio, produção de Affonso Uchoa, Camila Bahia Braga, Jerónimo Quevedo e Victoria Marotta
Swinguerra, produção de Dora Amorim, Julia Machado e Thaís Vidal

O Prêmio Guarani é promovido pelo site Papo de Cinema

Redação

O Cenas de Cinema é um veículo informal e divertido que tem como principal objetivo divulgar a sétima arte, com críticas, notícias, listas e matérias especiais
Botão Voltar ao topo
Fechar