Top, top, top uh!

Os Melhores filmes lançados em 2020

Uma lista linda em um ano louco

Dia 31 de dezembro. Chegamos ao final deste ano bizarro, onde uma pandemia terrível tomou conta do mundo e um genocida tomou conta do País. Muita coisa mudou nas nossas vidas, agora afastadas e presas dentro de casa para tentar conter um vírus que até hoje ninguém entendeu muito bem como se comporta. O isolamento, portanto, é o meio mais eficaz de prevenir a doença e combater sua disseminação. Para nós da crítica e da cinefilia, o cinema tornou-se uma realidade distante, vivida até meados de março mais ou menos. Toda uma cadeia produtiva teve que tentar se reinventar, se adaptar, buscar novas formas de continuar existindo e resistindo.

As plataformas de streaming nadaram de braçadas, sites e blogs de cinema acompanharam, o número de lançamentos, lives e podcasts era insano. No meio do ano, a tempestade foi de festivais de cinema, a televisão fechada entrou no jogo com a transmissão na grade da programação e a crítica, saudosa de cobertura, estava com fôlego total na cobertura. O hábito de ver filmes em casa transformou o nosso trabalho, tudo é muito diferente. E o que considerar numa lista de melhores do ano, num universo onde a oferta é quase infinita, onde não se tem um controle exato de tudo o que foi lançado?

Mas nós do Cenas chegamos lá! Desconsiderando pré-lançamentos de uma semana para o Oscar e outros em VoD que até mesmo a equipe do filme desconhece, e levando em conta os serviços de streaming mais conhecidos e o YouTube, chegamos à nossa lista de lançamentos do ano. Claro que o cinema, aquele lá dos primeiros três meses do ano, também foi considerado. E tem mais lista com nossos curtas e longas favoritos nos festivais de 2020.

Apoie o Cenas

E para você, nosso leitor querido, que 2021 seja mais tranquilo, que o mundo volte ao normal e que essa vacina chegue logo, para que todo mundo possa se encontrar, se abraçar e sentar novamente no escuro do cinema, curtindo um filme junto com aquele monte de gente, porque é assim que a gente gosta.

Melhores filmes
  1. Retrato de uma Jovem em Chamas, de Céline Sciamma

2. Sertânia, de Geraldo Sarno

Babenco - Alguém tem que ouvir o coração e dizer: Parou

3. Babenco – Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou, de Bárbara Paes

4. Pacarrete, de Allan Deberton

5. Joias Brutas, de Josh e Benny Safdie

6. Uma Vida Oculta, de Terrence Malick

7. Vermelha, de Getúlio Ribeiro

8. Nunca, Raramente, Às Vezes, Sempre, de Eliza Hittman

9. A Febre, de Maya Da-Rin

O Barco (2018)

10. O Barco, de Petrus Cariry

11. Casa, de Letícia Simões

12. Até Logo, Meu Filho, de Wang Xiaoshuai

Soul (2020)

13. Soul, de Pete Docter

14. Você Não Estava Aqui, de Ken Loach

15. Vaga Carne, de Grace Passô e Ricardo Alves Jr.

16. Be Natural: A História não Contada da Primeira Cineasta do Mundo, de Pamela B. Green

17. Indianara, de Aude Chevalier-Beaumel e Marcelo Barbosa

18. Alice Junior, de Gil Baroni

19. Deerskin: Estilo Matador, de Quentin Dupieux

20. Emicida: AmarElo – É Tudo Pra Ontem, de Fred Ouro Preto

Para ver as listas individuais, vá para a próxima página

1 2Próxima página

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.

Francisco Carbone

Jornalista, crítico de cinema por acaso, amante da sala escura por opção; um cara que não consegue se decidir entre Limite e "Os Saltimbancos Trapalhões", entre Sharon Stone e Marisa Paredes... porque escolheu o Cinema.

Lorenna Montenegro

Lorenna Montenegro é crítica de cinema, roteirista, jornalista cultural e produtora de conteúdo. É uma Elvira, o Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema e membro da Associação de Críticos de Cinema do Pará (ACCPA). Cursou Produção Audiovisual e ministra oficinas e cursos sobre crítica, história e estética do cinema.
Botão Voltar ao topo